terça-feira, 29 de março de 2016

DRILLS - Dança do Ventre Online - Aquecimentos & Alongamentos



Dança do Ventre para todos é uma iniciativa do curso Isis Zahara Online. O curso funciona como subsídio didático a todos que queiram aprender a Arte da Dança do Ventre mas não têm acesso às aulas devido a problemas financeiros ou geográficos. @isiszbellydance


Publicado em 21 de jan de 2015



Alongamento

Fortalecimento Muscular



Fortalecimento Muscular II

Pilares do Sul - Áurea Iurtchencko

Pesquisa sobre o Tribal no RS | Conte sua trajetória dentro do Tribal.
Trajetória - Inspirações - Cursos - Cenário - Linha de Trabalho - Definição
Respostas enviadas durante o ano de 2015.
Áurea Becker Iurtchencko, é proprietária, professora e diretora da ARABESQUE, Escola de Dança, Arte e Movimento, aberta em 2013 na cidade de Porto Alegre. É formada em Publicidade e Propaganda (1979) pela PUCRS e em Direito pela UniRitter (1998).
Iniciou os estudos anos em Dança do Ventre em 2002 e em Dança Tribal. Na Dança do Ventre Clássica, estudou com Muna ZakiKarina ImanBruna Gomes e Fernanda Zahira Razi 
Iniciou sua trajetória na Dança Tribal com Karina Iman.  

Integrou o segundo grupo formado por Karina Iman, juntamente com as bailarinas Fernanda RaziBruna GomesLuana Paré e Patricia Beresford e KarinaO primeiro grupo formado pela Karina em Porto Alegre era composto pelas bailarinas Daiane RibeiroNiriane NeumanBruna Gomes e a própria Karina
Coreografia “Raízes”, classificada em 1º Lugar no Porto Alegre em Dança 2007
Quando Karina foi trabalhar no Oriente, deu continuidade aos estudos com Bruna Gomes, no Al-Málgama, onde faz aulas desde então.

Participou do I Curso Extensivo de Formação do Masala. (Bruna Gomes, Fernanda Razi e Daiane Ribeiro). E de vários workhops, como: Shaide Halim - SP, (tribal indian), Nanda Najla - MG, (Bellytango e Zambra)  Dança Afro (Mestre Moah),   Hula (Kokua Kumu Antonio Carlos Silveira), aulas particulares de Tango com a Prof. Roxane, todos com a finalidade de adoção dos seus elementos nas fusões dos diversos estilos da Dança Tribal.

Participações em Mostras e Eventos:
Em 2007 – Porto Alegre em Dança, com o Grupo Karina Iman (bailarinas Bruna GomesFernanda RaziKarina ImanÁurea IurtchenkoPatricia Beresford e Luana Paré), com a coreografia “Raízes”, classificada em 1º Lugar na categoria.

Participação em todos os shows do Al-Málgama, desde 2008 até os dias de hoje (exceto o Sirena) tais como “Introspectáculo I”, “Introspectáculo II”, “Especiarias”(Grupo Masala) e “Movie-mento”, este último premiado no Açorianos, “Al-Málgama 13 anos”, etc.
2011 - 1º lugar com o solo "Ouroboros" e medalha Destaque da noite (categoria veterano). Tribal Ritualístico
2012 - 1º lugar com o solo "Carmin" e medalha Destaque da noite (categoria veterano) Bellytango.
2013 - 5º lugar com o solo "La Cumparsita" Bellytango.
 
 

Cronologia baseada nos dados enviados e pesquisas na internet.

2002 - Áurea Becker Iurtchenko inicia seus estudos em Dança do Ventre com Muna Zaki.
Workshop de Dança Balady, com a bailarina Fátima Fontes (SP)

2003 - Lendas e Folclores do Oriente” ( Teatro Bruno Kieffer)

2004 - Awalin, as Estrelas do Cinema Egípcio

2005 - 6º Festival Internacional Luxor, em São Paulo, com mestres internacionais –  Raqia Hassan (Egito), Saida (Argentina), Yousry Shariff (Egito), bem como Hayat El Helwa (São Paulo) (28h/aula).
- “Deusa, atenda seu chamado” ( Sociedade Libanesa e Teatro Bruno Kieffer), pela Escola Harem.

2006 - 1º Workshop Estilo Tribal, ministrado por Shaide Halim e Fernando Reis (10h/aula).
- “A Dança do Leste” (2006), pelo Estúdio Iman.
Porto Alegre em Dança, com o grupo Gawazhe, “folclore de imigração/conjunto”, premiado em 3º lugar.

2007 - Workshop Estilo Tribal, ministrado por Shaide Halim e Fernando Reis (10h/aula).

- Curso “Dança do Ventre Contemporânea; O Poder do Quadril; Explorando as Possibilidaddes do Shimmy” (5h/aula), ministrado por Jade El Jabel.
Porto Alegre em Dança, como bailarina do Espaço de Dança Egípcia Karina Iman,  com a apresentação da dança tribal “Raízes”, premiada com o 1º lugar na categoria ‘folclore de imigração / conjunto’.

2008 - Introspectáculo Dança Tribal & Dança do Ventre Experimental  - Teatro de Arena (POA/RS).
VI Conferência Internacional do Templo Luxor, em São Paulo, com os mestres Amir Thaleb (Argentina),  Aziza (Canadá) e Yousry Shariff (Egito). (28h/aula)
- Curso de Educação Continuada em Dança do Ventre, ministrado por Carlla Silveira (MG),  (15h/aula).
- “Mostra Gala, do Projeto Eco-Arte” (Teatro Hebraica, 2008); “Shakti em Dança” (Auditório do Banco Central, 2008).

2009 - Workshop com Isabel de Lorenzo na modalidade Gypsy Fusion (2h/aula).
Introspectáculo I (Teatro de Arena, 2009).
Introspectáculo II (Teatro Cia. de Arte, 2009), ambos pela Escola Al-Málgama.


2010 - Introspectáculo II, na Cia de Arte(POA/RS).
- Workshop com Michele Trentin, de Dança Oriental Folclórica.
- Workshop com Diana Tarkhan (Egito), de Dança do Ventre nos estilos Clássico Egípcio, Shaabi, Pop Stile e Saidi com Bastão (8h/aula), em Caxias do Sul, na Escola Rakaça Templo da Dança.
1º Curso Extensivo de Dança Tribal  (período de 28/03/2010 a 27/11/2010), promovido pelo Grupo Masala Dança Tribal, com participação no Espetáculo “Especiarias”(60h/aula).

2011 - 1º lugar com o solo "Ouroboros" e medalha Destaque da noite (categoria veterano). Tribal Ritualístico.
- Aperfeiçoamento Técnico e Especialização em Dança do Ventre (1º Módulo), realizado na Casa de Cultura Mário Quintana, ministrado por Alessandra Forte e pelo músico Fabiano Tuerlinckx.
- Workshop de Danças Orientais (Módulo II), com Karina Iman (2h30min/aula).
- Workshop com Katia Sherbakova, bailarina russa radicada no Cairo, com os temas: Técnicas de Katia, Clássico Egípcio e Melea Laff de Alexandria (6h/aula), em Caxias do Sul, na Escola Rakaça Templo da Dança.
Espetáculo Sallam, 1ª e 2ª edição (2011, Teatro Cia. de Arte), pelo Grupo Fernanda Zahira Razi.
Espetáculo Movie-Mento no Teatro Hebraica, pelo Grupo Masala.
- Troféu de 1º lugar e medalha “destaque da noite” na categoria Danças Orientais, solo feminino, veterano, no Festival Nacional de Dança  “Vem Dançar” (direção artística do Professor Aldo Gonçalves), pelo Grupo Fernanda Zahira Razi.

2012 - 1º lugar com o solo "Carmin" e medalha Destaque da noite (categoria veterano) Bellytango.
- Workshop de Sequências Coreográficas com Música ao Vivo, ministrado por Alessandra Forte e músicos Fabiano Tuerlinckx e Marcos Strapazon.

- Curso de Técnicas de Quadril para Dança Oriental, ministrado por Lulu from Brasil, promovido pela Escola Templo do Oriente (5h/aula).
Workshop Grandes Nomes da Dança Tribal (Rachel Brice e Olivia Kissel), ministrado por Bruna Gomes, no Espaço Cultural Al-Malgama (6h/aula).
- Workshop com  os temas Técnicas de Quadril e Sequências Egípcias, ministrado por Carlla Silveira (MG) (5h/aula).
Espetáculo Movie-Mento no Teatro Hebraica, pelo Grupo Masala, evento este que conquistou o prêmio Açorianos no ano de 2012. 
- Troféu de 1º lugar e medalha “destaque da noite” na categoria Danças Orientais, solo feminino, veterano, no Festival Nacional de Dança  “Vem Dançar” (direção artística do Professor Aldo Gonçalves), pelo Grupo Al-Málgama.

2013 - Al-málgama 13 anos (POA /RS).
- 5º lugar com o solo "La Cumparsita" Bellytango.


 ** aguardamos fotos atualizadas dos eventos **

 
 
Fonte: texto enviado por Áurea Iurtchencko   para o Blog
Fotos: arquivo pessoal de Áurea Iurtchencko   no Facebook


segunda-feira, 28 de março de 2016

FILME - COBRA GYPSIES



Publicado em 28 de fev de 2015
An adventure with the indian gypsies, the new movie of Raphael Treza

- Buy the soundtrack: 
- Listen to the soundtrack:

- watch my first movie "Hallucinogen Honey Hunters ":

- and "Night" Ghat", the prequel of Cobra Gypsies:

FILME - From Sadir to Bharatanatyam - Excerpt

Publicado em 14 de set de 2012
Directed by Viveka Chauhan

35 min. | 2012

The Film draws on the sociological aspects of the cultural history of Bharatanatyam. Once a temple dance, the domain of the Devadasis, it has today become an iconic national symbol of great popularity, performed by urban women who have taken it up as a profession. The formative years of the revival movement saw a shift from some of the erotic, sensuous shringar aspects of the dance to a more choreographed, structured form, aimed at making it more acceptable to the upper class by ridding it of the stigma attached to it. The dance has become the symbol of a particular history, in the process erasing the very aspects that contributed to its birth and development.

terça-feira, 22 de março de 2016

Pilares do Tribal - Barbara Kale

Pesquisa sobre o Tribal no RS | Conte sua trajetória dentro do Tribal.
Trajetória - Inspirações - Cursos - Cenário - Linha de Trabalho - Definição
Respostas enviadas durante o ano de 2015.
Barbara Kale ex-integrante do Read My Hips

Minha experiência com a Dança Tribal no RS foi um pouco diferente... 

Eu estudei Tribal nos Estados Unidos, onde morei por cinco anos, e fiz parte de um grupo de dança, Read My Hips, em Chicago. 

Antes de voltar para o Brasil em 2006 eu já comecei a procurar contatos, pois queria continuar dançando Tribal. Na época, quando se falava em Dança Tribal no Brasil, só tinha a Cia Halim, de São Paulo. E o que elas faziam era bem diferente da experiência que eu tinha. 

Em setembro de 2006 participei do, assim chamado, 1º Workshop de Dança Tribal no Estado, promovido pelo estúdio de dança do ventre da Mahaila Diluz, com a presença de Shaide Halim

No show de encerramento do evento eu pude observar que, apesar do trabalho de algumas bailarinas já apresentar características visuais e de figurino Tribal, a técnica de Dança Tribal propriamente dita, que tem sua base no ATS, era completamente desconhecida. Mas já existia um movimento de fusão da dança do ventre tradicional com outros estilos. 

Foi a primeira vez que vi a Karina Iman e seu grupo dançando, e fiquei bastante impressionada com o trabalho delas. Mas com base em tudo que eu tinha aprendido até então, não tinha ninguém trabalhando com Tribal



Eu dancei por um tempo no Souq, e dei aulas de ATS e Tribal Fusion tanto no Souq quanto na Escola Harem

Eu nunca tive muito sucesso nestas empreitadas, até porque nunca gostei muito de dançar sozinha, e para conseguir formar um grupo de Tribal tem que se ter dedicação quase exclusiva para a dança. 
 
As alunas na sua maioria queriam apenas aprender alguns aspectos da Dança Tribal para aplicar a suas coreografias de Dança do Ventre, e poucas tinham interesse em focar somente em ATS

Eu trabalhava 40h, então a dança era mais um hobby. 
Esta carga horária funciona para alunas, mas para a professora fica bem difícil.

Eu participei de alguns eventos de Dança do Ventre no estado, mas o evento organizado pela Bruna Gomes, o Introspetáculo de 2008, foi o primeiro que focou em trabalhos de fusão mesmo - tanto de Dança Tribal quanto de Dança do Ventre

Pra mim foi uma experiência muito marcante, com um clima de "comunidade tribal", acolhedora e aberta a experimentação, similar a que existe nos EUA. 

Como em 2009 eu saí de Porto Alegre e mudei para Santa Maria, acabei me afastando bastante da dança tribal no estado. 

Acho que hoje em dia a situação é bem mais promissora, já tivemos várias bailarinas americanas no Brasil, tem muitos vídeos e cursos online de Tribal, o que contribui para a formação técnica e fomenta a nossa criatividade.


Fonte: texto de Barbara Kale para o Blog.

Fotos do MySpace.



Cronologia baseada nos dados enviados e pesquisas na internet.

2001 - Barbara Kale inicia seus estudos no ATS junto com o grupo Read My Hips de Chicago.

2002 - Estilo Tribal Brasileiro começa a ser divulgado no Brasil por Shaide Halim e a Cia Halim.

2003 - 

2004 - 

2005 - 

2006 - Barbara Kale volta dos EUA para Porto Alegre.
Barbara Kale começa a ministrar aulas de ATS Tribal Fusion no Souq.

2007 - Barbara Kale começa a ministrar aulas de ATS Tribal Fusion na Escola Harem.

2008 - Participação no Introspectáculo Dança Tribal & Dança do Ventre Experimental - produzido por Bruna Gomes e Estela Sanarte - Teatro de Arena (POA/RS).

2009 - Barbara Kale se muda de Porto Alegre para Santa Maria.
2006 - Spirit of The Tribes
2006 - Spirit of The Tribes (Finale)
Fonte: texto enviado por Barbara Kale para o Blog
Fotos: arquivo pessoal de Barbara Kale no Facebook

domingo, 20 de março de 2016

Pilares do Sul - Bruna Gomes (Definição)

Defina o que você entende por  “DANÇA TRIBAL”.
 Trajetória - Inspirações - Cursos - Cenário - Linha de Trabalho - Definição
Respostas enviadas durante o ano de 2015.

Superficialmente, posso dizer que a Dança Tribal emerge da Dança do Ventre, agregando, fundindo, manifestando novas possibilidades. 

Entendo que é uma versão contemporânea do estilo, adequada ao nosso contexto atual de sociedade que representa a liberdade de expressão. 

Aproveito o espaço para colocar que não compactuo com um enquadramento do estilo, como muitas vertentes do estilo atualmente lutam por fazer. 
 
** Bruna, agradeço imensamente tua disposição em contribuir com nesta pesquisa. Sucesso e muita Dança! **


Fonte: texto enviado por Bruna Gomes  para o Blog
Fotos: arquivo pessoal de Bruna Gomes  no Facebook

sábado, 19 de março de 2016

Pilares do Sul - Bruna Gomes (Linha de Trabalho)

Você consegue identificar alguma linha principal dentro do Tribal que você siga, ou que mais se identifica?
Trajetória - Inspirações - Cursos - Cenário - Linha de Trabalho - Definição
Respostas enviadas durante o ano de 2015.



Nos EUA, quando eu participei do Tribal Fest, meu estilo foi definido pelos organizadores (Kajira Djoumahna e Chuck Lehnhard) de "Tribal Interpretativo". 

Até então desconhecia essa nomenclatura, mas concordei, já que é para se enquadrar em algo, é o que mais se aproxima.









 Bruna Gomes em sua apresentação no Tribal Fest 14.

Fonte: texto enviado por Bruna Gomes  para o Blog
Fotos: arquivo pessoal de Bruna Gomes  no Facebook

sexta-feira, 18 de março de 2016

Pilares do Sul - Bruna Gomes (Cenário)

Como você vê o cenário do tribal no RS atualmente?
Trajetória - Inspirações - Cursos - Cenário - Linha de Trabalho - Definição
Respostas enviadas durante o ano de 2015.

Apesar de estarem surgindo novas fontes de Dança Tribal constantemente no RS, sinto que falta um espaço maior de visibilidade, faltando criar um público próprio para o estilo. As demonstrações tem sido feitas principalmente em teatros e eventualmente em eventos de Dança do Ventre, portanto, limitada à um público que já conhece o estilo.  Mas acredito que estamos engatinhando nesse processo.






** Bruna Gomes participa como coreógrafa do Projeto chamado Guerrilha Tribalde Estela Sanarte.

Este Projeto é parte do Al-málgama Tribal. **
 
 


Fonte: texto enviado por Bruna Gomes  para o Blog
Fotos: arquivo pessoal de Bruna Gomes  no Facebook

quinta-feira, 17 de março de 2016

Pilares do Sul - Bruna Gomes (Cursos)

Quais os tipos de cursos extensivos, intensivos, em outras áreas que você fez para agregar na sua dança?
Trajetória - Inspirações - Cursos - Cenário - Linha de Trabalho - Definição
Respostas enviadas durante o ano de 2015.

Constantemente busco workshops ou estudos de curto prazo em outros estilos de dança.

Dentre tais estudos estão: Dança Indiana (Bharatanatyam), Danças africanastangostreet dancepole dance, dança modernacontemporânea, contato e improvisação, educação somática.

Como se deu o amadurecimento da sua dança durante este período?
Através de estudos. Estudos práticos e teóricos do estilo e de outras manifestações, que não só a dança tribal, mas outros estilos e mesmo outras linguagens como o teatro, o desenho, a fotografia, o vídeo, enfim, outras manifestações artísticas que acrescentam na minha percepção de arte. 


Fonte: texto enviado por Bruna Gomes  para o Blog
Fotos: arquivo pessoal de Bruna Gomes  no Facebook

quarta-feira, 16 de março de 2016

Pilares do Sul - Bruna Gomes (Inspirações)

Quem foram suas inspirações, com quem você teve as primeiras aulas, quais eram suas bases de pesquisa?
Trajetória - Inspirações - Cursos - Cenário - Linha de Trabalho - Definição
Respostas enviadas durante o ano de 2015.

Primeiramente, a Karina Iman, foi quem me trouxe a inspiração para iniciar meus estudos.

Sharon Kihara, foi o primeiro workshop internacional do estilo que participei e entendi a necessidade de um preparo físico para um bom desenvolvimento da dança.

Ariellah Aflalo, que trouxe bastante material para desenvolvimento corporal no workshop do Gothla Brasil.

Illan Rivieri que é tudo de bom além de ter uma proposta de aula ótima (Tribal Fest 14) para o desenvolvimento de processos criativos, ele influência muito os meus estudos.
Rachel Brice, pois.... sem comentários, ela foi a primeira inspiração na Dança Tribal. No ano passado tive a felicidade de fazer aulas com ela no Tribal Fest 14, na Califórnia / EUA.

Zoe Jakes, que tem um trabalho criativo e muito bem executado, onde obtive estudos através de vídeos e de aula presencial (Tribal Fest 14).
Sera SolsticeOlivia KisselDesert Sin que acompanho seus trabalhos pelo youtube e muito me inspiram.

Não poderiam faltar as colegas:  Fernada Zahira Razi e Daiane Ribeiro, das quais sempre admirei seus trabalhos e acompanho com orgulho.

Quais são suas inspirações atualmente?
Mantenho as mesmas :)
Fonte: texto enviado por Bruna Gomes  para o Blog
Fotos: arquivo pessoal de Bruna Gomes  no Facebook